Joice Hasselmann deve desembarcar em Teresina na próxima semana

0
Compartilhar

A deputada federal Joice Hasselmann tem definida uma pré-agenda em Teresina na próxima semana. A previsão é que ela desembarcar na capital do Piauí na próxima terça-feira. A vinda de Joice Hasselmann, que faz parte da executiva nacional do PSL, marcará a posição do partido na disputa eleitoral de 2022. Desde que o médico Daniel França assumiu o comando do diretório municipal em Teresina, a coligação com o PSDB e, portanto, o apoio ao pré-candidato Kleber Montezuma, que era dado como certo pelos vereadores da sigla que dão sustentação ao prefeito Firmino Filho, segue como indefinida.

Joice Hasselmann prepara agenda em Teresina na próxima semana
Joice Hasselmann tem agenda em Teresina na próxima semana: definição dos rumos do PSL nas eleições 2020

Em recentes entrevistas à imprensa piauiense, Daniel França afirmou que o alinhamento com o PSDB na capital não era “automático” e que estaria conversando com outros candidatos enquanto o PSL faria pesquisas para definir o rumo das eleições.

Dois vereadores, Zé Filho e Nilson Cavalcante, e o filho do vereador Ricardo Bandeira, Sérgio Bandeira, migraram para o PSL com a abertura da janela partidiária, todos enviados pelo Prefeito Firmino Filho.

Joice Hasselmann deve indicar posição do PSL nacional em Teresina

Com o maior tempo de televisão, o PSL ensaiou candidaturas a Prefeito de Teresina natimortas e sem o apoio dos vereadores do partido. Luís André, que era presidente nacional da sigla e dava as cartas na municipal, defindia publicamente a possibilidade de ter um candidato majoritário do partido mas atuava nos bastidores pela manutenção do apoio ao PSDB do prefeito Firmino Filho e seu futuro candidato, Kleber Montezuma. Mas esse apoio não trouxe dividendos políticos para o partido. Firmino Filho nunca cogitou que o PSL indicasse o nome para a vaga de vice-prefeito ou sequer ampliou a participação do partido na administração municipal, que já contava com a presença de Ricardo Bandeira, cuja indicação era da cota pessoal de Firmino Filho e não do PSL.

Esse casamento fácil gerou uma insatisfação do PSL Nacional, segundo maior partido do Brasil, com os rumos da sigla em Teresina. Na capital do Piauí, segundo a visão dos dirigentes nacionais, o peso e importância do PSL não foi reconhecido ou aproveitado pelos dirigentes da sigla. Em decorrência disso, a própria Nacional fez uma intervenção e indicou o médico Daniel França para o comando da sigla. O partido busca um protagonismo nas eleições e o alinhamento nacional.

Com uma semana no comando da sigla, Daniel França fez de um PSL que ninguém falava o partido que todos correm atrás, inclusive o prefeito Firmino Filho.

Postagens Relacionadas
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *