Trump autoriza novas sanções contra o Irã

0
Compartilhar

O secretário de Estado dos Estados Unidos, Mike Pompeo, e o secretário do Tesouro, Steven Mnuchin, anunciaram nesta sexta-feira (10) que o presidente Donald Trump autorizou novas sanções contra o Irã.

O anúncio ocorre em um momento de tensão entre o Irã e os EUA. No início desta semana, o Irã atacou bases que abrigavam tropas americanas no Iraque. As investidas foram uma retaliação ao assassinato do general iraniano Qassim Suleimani na semana passada.

Mnuchin disse que o país cortará “bilhões de dólares” do regime iraniano. Na quarta-feira (8), Trump já tinha anunciado que seu governo iria implementar novas punições econômicas contra o país em breve.

Os alvos das sanções, segundo as agências Reuters e AFP, incluem os setores manufatureiro, de mineração e têxtil do Irã, além de autoridades iranianas que, segundo, Washington, estiveram envolvidas no ataque no Iraque.

Estão na mira oito altos funcionários do regime que avançaram nos “objetivos de desestabilização” da República Islâmica, além dos maiores fabricantes de aço, alumínio, cobre e ferro do país.

O governo Trump incluiu 17 produtores e empresas iranianas de mineração de metal, uma rede de três entidades com sede na China e nas Seychelles e um navio envolvido na compra, venda e transporte de produtos de metal iranianos, na lista de sanções, disse Mnuchin em entrevista coletiva.

Entre as principais autoridades iranianas alvo das novas sanções estão Ali Shamjani, secretário do Conselho Supremo de Segurança Nacional, Mohammad Reza Ashtiani, vice-chefe de gabinete das Forças Armadas, e Gholamreza Soleimani, chefe da milícia Basij, uma força voluntária leal ao regime.

Mnuchin afirmou que as medidas que afetam a economia do Irã “continuarão até que o regime pare de financiar o terrorismo global e se comprometa a nunca ter armas nucleares”.

No documento em que autoriza as medidas, divulgado pela rede norte-americana de TV CNN, o presidente dos EUA argumenta que o Irã continua a ser “o principal patrocinador mundial do terrorismo” e que ameaçou militares e civis dos Estados Unidos.

“Continua sendo a política dos Estados Unidos negar ao Irã todos os caminhos para uma arma nuclear e mísseis balísticos intercontinentais e para contrariar a totalidade da influência maligna do Irã na região”, acrescentou o presidente.

Sobre o alvo das sanções, ele fala em produtos de “setores chave da economia iranianas”, cujas receitas podem ser usadas para “financiar e auxiliar seu programa nuclear, desenvolvimento de mísseis e terrorismo”.

Secretário diz que Irã queria matar americanos
Mike Pompeo disse não haver dúvidas de que o Irã pretendia matar americanos no ataque e considerou as sanções autorizadas pelo presidente como uma resposta apropriada.

“Observei a atividade iraniana na região naquela noite. Eles tinham intenção total de matar as forças americanas, fossem nossos militares ou o pessoal da diplomacia na região”, afirmou.

“Estou confiante de que a resposta que o presidente deu é apropriada. O presidente disse que não queremos guerra. Queremos que o Irã se comporte como uma nação normal”, acrescentou o secretário.

Pompeo disse novamente que os Estados Unidos tinham informações sobre uma ameaça iminente. “Ficou muito claro: o próprio Qassim Suleimani estava planejando um ataque amplo e de larga escala contra os interesses americanos, e esses ataques eram iminentes.”

“Tínhamos informações específicas sobre uma ameaça iminente. E essas ameaças incluíam ataques às embaixadas dos EUA”, disse Pompeo aos repórteres.

  • Com informações das agências Reuters e AFP.
Postagens Relacionadas
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *