SP e Brasília têm manifestações contra e pró-governo neste domingo

4
Compartilhar

As cidades de São Paulo e Brasília têm manifestações favoráveis e contrárias ao governo do presidente Jair Bolsonaro neste domingo (14) .

Em Brasília, um grupo com dezenas de pessoas, favorável ao governo, se concentrou e estendeu uma bandeira do Brasil na frente do Quartel General do Exército.

Eles carregavam cartazes com críticas ao Congresso Nacional e ao STF (Supremo Tribunal Federal). Também houve uma carreata na cidade, comandada por um carro de som.

Pouco antes, apoiadores tentaram furar o bloqueio na Esplanada dos Ministérios. O local está fechado neste domingo por decreto do governador do DF, Ibaneis Rocha, para evitar aglomerações.

Além disso, o decreto diz que parte das manifestações realizadas nessas aglomerações tem conteúdos anticonstitucionais e há ainda “ameaças declaradas, por alguns dos manifestantes, aos Poderes constituídos.”

Em São Paulo, cada um dos grupos tem horários distintos para se manifestar em diferentes pontos da cidade.

Os manifestantes favoráveis ao governo federal estão reunidos no Viaduto do Chá, desde 12h e permanecem lá até 18h. Já os contrários ao presidente se reúnem na avenida Paulista, nas proximidades do Masp, entre 14h às 16h30.

Os organizadores deste ato se comprometeram a informar o local da dispersão para que o planejamento policial possa ser adequado.

Também houve um pequeno ato a favor de Bolsonaro em Belém, no Pará.

Weintraub
Mais cedo, em Brasília, o ministro da Educação, Abraham Weintraub, se reuniu com cerca de 15 apoiadores de Bolsonaro, que furaram o bloqueio na Esplanada dos Ministérios e permanecem em um espaço em frente ao Ministério da Agricultura.

O ministro aparece, em vídeo gravado pelos manifestantes, em um círculo de pessoas, sem o uso máscaras contra a propagação da covid-19 assim como a maior parte do grupo.

“Eu sou ministro do Executivo, e não posso aumentar a pressão que já existe. Eu não tenho autorização do presidente (Bolsonaro) para me posicionar contra um ministro (do STF). É o que eu posso dizer. Vamos manter a tranquilidade, seguir as leis seguir o que manda estritamente a Constituição. A Constituição tem que ser seguida ao pé da letra”, disse.

Fonte: r7.com
Foto: Leo Orestes/Framephoto/Estadão Conteúdo

Postagens Relacionadas
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *