Gastos da PMT revelam que fome é problema maior que coronavírus

11
Compartilhar

A Prefeitura de Teresina disponibilizou uma ferramenta para o acompanhamento das despesas do combate ao coronavírus na capital. Gastos feitos pela Prefeitura de Teresina mostram que enfrentar o coronavírus foi adquirir cestas básicas para a população teresinense.

A reportagem contabilizou apenas valores liquidados – quando o serviço prestado por terceiro foi executado ou o produto entregue mas sem pagamento – e valores já pagos após a liquidação.

Pelas informações do Portal da Transparência do município, a PMT realizou 119 contratos específicos no combate a covid-19. Destes, apenas 44 tiveram suas despesas liquidadas ou liquidadas e pagas. Outras 75 despesas estão em fase de empenho, etapa que a Prefeitura reserva em orçamento o valor que será pago quando o bem for entregue ou o serviço concluído.

FMS executa menos e Educação lidera gastos

Até agora, a Fundação Municipal de Saúde fica de fora das principais ações de combate ao coronavírus em Teresina. Secretaria Municipal de Educação e a Secretaria Municipal de Cidadania, Assistência Social e Políticas Integradas superam em liquidações e pagamentos as execuções da FMS.

Os maiores gastos no combate ao coronavírus foram contabilizados na Secretaria de Educação. Sozinho, o órgão foi responsável por 87,9% de todo o valor gasto pela prefeitura de Teresina. Dos R$ 9.117.019,88 gastos até agora, a Secretaria de Educação geriu R$ 8.021.726,50.

A Fundação Municipal de Saúde liquidou ou liquidou e pagou até agora apenas R$ 226.593,38 em despesas no combate a Covid-19. Ou seja, gastos com a pasta da saúde representam apenas 2,5% do que a Prefeitura gastou até agora.

gastos pmt

A Fundação Municipal de Saúde gastou menos dinheiro no combate ao coronavírus em Teresina do que gastou a Secretaria Municipal de Cidadania, Assistência Social e Políticas Integradas. A SEMCASPI executou, segundo o portal da transparência um total de R$ 868.700,00, ou seja, quase 4 vezes mais do que a FMS.

Quase metade dos gastos da FMS foram com pesquisas

Mas o que chama mais atenção nos gastos da Prefeitura de Teresina com o coronavírus é o fato de que dos gastos efetivamente liquidados ou liquidados e pagos da Fundação Municipal, quase a metade foi, até agora, gastos com duas pesquisas. Do total de R$ 226.593,38 executados pela FMS, R$ 93.864,00 foram para a tal pesquisa, ou seja 41,42%. Efetivamente, as UBS e UPAS receberam apenas R$ 132.729,38. 

Rede de Atenção básica recebeu apenas 1,45% da verba destinada ao combate a Covid-19

Os números não mentem: os gastos diretos da Prefeitura de Teresina com material, medicamentos e hospitalar no combate ao coronavírus correspondem, até agora, a apenas 1,45% do montante total. 97,4% com cestas básicas. Em Teresina a fome é um problema maior que o coronavírus.

A reportagem do Diário entrou em contato com a Prefeitura de Teresina solicitando esclarecimentos ainda na sexta-feira(24). Até o fechamento desta edição, nenhuma resposta foi enviada.

Fábio Sérvio
Para o www.diariopiaui.com

Postagens Relacionadas
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *