Escorregões no Português

0
Compartilhar

LAMENTÁVEL
Jornalista publicou: “Que Teresina é essa meu Deus? Não se ver um policial nas ruas, estamos esquecidos pelos órgãos de segurança pública. lamentável.”

Outro jornalista: “A jovem cientista da escola pública que chegou onde nenhum brasileiro chegou”.

Lamentável, mesmo, descobrir derrapadas de português, até risíveis, que provocam desvios de atenção ao conteúdo da mensagem.

Vejamos como reparar o primeiro texto: o pronome ESSE (ISSO, DISSO, DESSE, NESSE) só deve aparecer quando traduzem AFASTAMENTO. Caso contrário, use ESTE, DESTE, DISTO… Ora, texto foi produzido NESTA CIDADE, Teresina, portanto use ESTA TERESINA. Se se tratasse de uma cidade distante, usaria ESSA: São Luís, que cidade é ESSA? Que Campo Maior é essa?

No sentido de DISTÂNCIA ou AFASTAMENTO, não se esqueça do SS, em vez de ST. Observe o quanto a mídia se equivoca com os fenômenos MAIS PRÓXIMOS: Nesse(errado) sábado de carnaval, está havendo bailes em todos os clubes sociais. Domingo de Páscoa, de hoje a quarenta dias. NESSE domingo, ocorrerão missas solenes.

Observe que, na primeira frase ocorre um VOCATIVO. Faltou vírgula. Não esqueça: todo VOCATIVO exige vírgula, inclusive ANTES e DEPOIS do termo.

NÃO SE VER UM POLICIAL… Somente cego não VÊ que esse verbo encontra-se no presente do indicativo: A gente não VÊ um policial… Ao VER um policial, a garota VÊ que é seu pai.

Observe que a expressão LAMENTÁVEL traduz estado de ADMIRAÇÃO, SURPRESA, portanto use o sinal de INTERJEIÇÃO (!).

CHEGAR A
Outro jornalista: “A jovem cientista da escola pública que chegou onde nenhum brasileiro chegou”.

Que horror! Não entendo como uma cientista consegue chegar dessa maneira: CHEGOU ONDE… correto: CHEGOU AONDE, porquanto o verbo CHEGAR exige preposição A(onde). Pelo respeito à cientista, nobre repórter, retire o segundo CHEGOU, se quiser que ela chegue. Repetições desnecessárias de um termo quase sempre enfeia a oração, exceto quando serve de reforço.


CANDIDATO A PREFEITO
Declaração apressada e inconveniente: “Pessoa merece respeito, mas precisa demonstrar muita coisa para que ele seja um candidato a prefeito que as pessoas acreditem”.

Valei-me, santas pessoas, que aparecem em tão curto trecho! Pior, com tremendo erro de REGÊNCIA VERBAL: …QUE AS PESSOAS ACREDITEM. Em vez de EM QUE (ou EM QUEM) AS PESSOAS ACREDITEM.

Aguente mais esta asneira de outro político: “Ele não dar pra ser um bom gestor agente ver pelas atitudes dele ele não sabe se expressar com os demais candidatos e so sabe e ir com ofensas e muita baixaria e ridículo como ele se comporta no meio dos debates da politica so sabe e ofender quem ta trabalhando pela cidade meu voto nunca ele vai ter fique como medico mesmo e bem melhor voce continuar com a sua carreira de cirurgião”.

Leitores e eleitores, unam-se e elejam tanta asneira, sem pontuação, sem acentuação, sem méritos.

José Maria Vasconcelos
Professor

Postagens Relacionadas
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *