Casos de Covid-19 crescem 60% por semana em Teresina, aponta pesquisa

0
Compartilhar

média de crescimento do número de infectados pelo coronavírus em Teresina é de 60% a cada semana, segundo mostrou a terceira etapa da pesquisa de investigação sorológica realizada pela Prefeitura de Teresina, em parceria com o Instituto Opinar. A sondagem, realizada no período de 1 a 3 deste mês, mostrou que a cidade já apresenta 12.492 pessoas com a Covid-19, um índice de 1,44%. Para cada uma pessoa infectada na capital, existem outras 52 não notificadas.

A partir dessa pesquisa foi possível identificar também a taxa de propagação do vírus, o conceito denominado de R0 (R-zero), que corresponde ao número médio de contágio causado por cada pessoa. Essa taxa em Teresina é de 1,6%, enquanto a média mundial varia entre 2% e 2,5%, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS). “Não estamos no pior cenário, mas também não estamos seguros. Temos agora mais clareza dos dados e podemos dizer que estamos no momento explosivo, perigoso, no meio de uma pandemia que está crescendo significativamente. Temos agora medidas precisas para mostrar o quão séria é a situação. Poderemos ter um final de maio dramático”, afirmou o prefeito.

Ele ressaltou o fato de Teresina ter sido a pioneira, tanto na realização das pesquisas por amostragem, como na definição da taxa de propagação do vírus, o R0 (R-zero). Muitas cidades iniciaram depois o trabalho para ter uma noção do nível de propagação da doença, uma vez que o número de testes ainda é insuficiente.

Da primeira etapa da pesquisa para a segunda houve um crescimento de 59% no número de infectados. Já da segunda para terceira, o aumento foi de 62%.  “Se a taxa de crescimento continuar subindo nessa mesma proporção de 60%, na próxima semana teremos quase 20 mil pessoas com a Covid-19. Em duas semanas podem ser 32 mil pessoas infectadas e, em menos de um mês, poderemos ter 10% da nossa população com o novo coronavírus, um número assustador”, destacou o prefeito Firmino Filho.

Nesta terceira sondagem o índice de pessoas com a doença foi de 1,44%, ou seja, a cidade tem 12.492 infectados, quantidade 53 vezes maior que os 237 casos registrados no domingo anterior à pesquisa. A primeira pesquisa havia apontado que 0,56% das pessoas estavam com a Covid-19, o que correspondente a 4.843 pessoas. O número foi 118 vezes superior aos 41 casos registrados pelo sistema de saúde da capital no domingo anterior a coleta de dados. Já no segundo levantamento, 0,89% dos pesquisados tinham atestado positivo para a Covid-19, o que totalizava 7.697 pessoas, quantidade 63 vezes maior que os positivos registrados no domingo anterior à pesquisa.

De acordo com a pesquisa, a maior parte dos registros de infectados está na zona Sul da cidade, com 31% dos casos. A zona Leste vem em seguida, com 27% dos casos positivados, a zona Sudeste com 23% e, por último, a zona Norte, com 19%.

Os casos de mulheres confirmados nesta etapa da pesquisa continuam na mesma proporção da sondagem anterior, de 54%. No que diz respeito à faixa etária, a população com idade entre 15 a 24 anos representa a maioria dos casos positivos, 35%.  Em seguida, com 27%, estão as pessoas com idade entre 25 a 34 anos. Nas pessoas entre 35 a 44, o índice de infectados está em 15%, nas faixas de idades entre 45 e 54 anos, de 55 e 69 anos e acima de 70 anos o índice foi de 8%.

“A cada semana estamos aumentando o número de pessoas com a doença. A taxa de isolamento social na última quinta-feira foi de 42%. Ontem, 53% das pessoas estavam na rua, quebrando o isolamento. Já tivemos média de 60%. À medida que a gente relaxa, o vírus circula mais, o contágio cresce, a quantidade de pessoas infectadas cresce, a quantidade de óbitos cresce. Passamos de 10 a 11 dias sem nenhum óbito, e agora quase todo dia temos um na cidade. Se a gente persistir nesse desrespeito ao isolamento social, temos que nos preparar para o pior. Precisamos ficar em casa, não queremos ver acontecer em Teresina o que está acontecendo em São Luís, em Fortaleza”, apelou Firmino.

Durante a sondagem, são realizadas visitas residenciais com equipes composta por pesquisadores da Opinar, que aplicam os questionários, e técnicos da Fundação Municipal de Saúde (FMS), que fazem os testes rápidos para Covid-19. A amostragem das pesquisas é aleatória por estratos de sexo e idade, conforme dados populacionais atualizados das Unidades Básicas de Saúde (UBS) da zona urbana. Nesta terceira etapa foram realizados testes para Covid-19 com 900 pessoas.

A pesquisa leva em consideração uma população estimada em 864.845 habitantes em Teresina.  Os números da pesquisa são baseados pelos índices positivos dos testes para Covid-19, e são levadas em consideração comorbidades ou doenças prévias, além do quadro atual de saúde do entrevistado. Também são apresentadas as características demográficas coletadas (sexo, idade, nível de instrução, renda e situação de trabalho).

Confira aqui os dados da pesquisa.

Postagens Relacionadas
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *