Brasil para no segundo tempo, mas vence o Peru na estreia do Pré-Olímpico

0
Compartilhar

O Brasil jogou o suficiente para vencer o Peru por 1 a 0 neste domingo (19) na estreia do Pré-Olímpico, em Armênia, na Colômbia. Com gol de Paulinho, do Bayer Leverkusen, a equipe de André Jardine agora está empatada com o Uruguai na liderança do grupo, com três pontos e um gol marcado.

A equipe brasileira dominou o primeiro tempo, com Bruno Guimarães como maestro. Foi do meio-campista do Athletico-PR a assistência para o gol. No segundo, no entanto, o time parou e passou a sofrer com algumas investidas dos peruanos.

O Uruguai será o próximo adversário do Brasil na competição. A seleção volta a campo na briga por uma vaga nas Olímpiadas de Tóquio na próxima quarta-feira (22), quando encara a Celeste às 22h30 (horário de Brasília), em Pereira.

O melhor: Bruno Guimarães
Escolhido por Jardine para ser o capitão, Bruno Guimarães sobrou no time. O meio-campista foi o maestro, distribuindo as bolas, sendo o cérebro da equipe. Quase todas as jogadas ofensivas passavam por seus pés. Foi dele a assistência para o gol que abriu o placar. O meia está na mira do Lyon.

O pior: Yuri Alberto
O atacante do Santos foi escolhido por Jardine para o lugar de Matheus Cunha, cortado de última hora, e quase não tocou na bola. Ele teve uma boa chance de gol e desperdiçou. Depois, pouco conseguiu assustar o goleiro peruano e apareceu pouco.

Jardine perde homem de confiança no ataque
Uma hora antes de a bola rolar, a CBF anunciou o corte de Matheus Cunha. O atacante se sentiu mal durante a noite e foi cortado, apesar de exames não apontarem nenhuma alteração. Ele tem nove gols em 11 jogos e é o único, ao lado de Paulinho, que jogou todas as partidas na “era Jardine”.

Ivan erra saída de bola e é perseguido pela torcida
Logo no começo do jogo, Ivan recebeu passe do zagueiro Bambu e demorou a tomar uma atitude. Ele foi pressionado pelos atacantes do Peru, se enrolou com a bola e cedeu o escanteio. Depois deste lance, a torcida passou a vaiar qualquer toque do goleiro da Ponte Preta na bola. Esses, aliás, eram dos poucos momentos em que o estádio quebrava o silêncio. O jogo foi disputado por quase todo o tempo com as arquibancadas caladas. Era possível ouvir até os gritos de Jardine da tribuna de imprensa.

Brasil controla a bola e toma poucos sustos
O Brasil conseguiu controlar a bola durante quase todo o jogo e deu poucas chances ao Peru. O meio-campo formado por Bruno Guimarães e Matheus Henrique fez o time dominar as ações e chegar a ter 90% de posse de bola no meio do primeiro tempo segundo o site da Conmebol. O Peru assustou pouco, com chutes de longe e cruzamentos na área de Ivan.

Seleção para e reduz o ritmo no segundo tempo
Depois de criar boas oportunidades na primeira etapa, o Brasil reduziu muito o ritmo de jogo na volta do intervalo. Apesar de seguir mantendo a bola e trocando passes, o time de André Jardine perdeu bastante em urgência e agressividade. O jogou ficou mais morno, com a seleção rodando a bola e esperando o tempo passar.

Fonte: Folhapress

Postagens Relacionadas
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *